11 junho 2011

Acta 11 Junho (parte do Luís)

 

Maria – fala da polícia e relembra a intervenção em Setúbal no 1º de Maio com armas, levantando a questão de poder haver subgrupos dentro da polícia responsáveis por este tipo de acções mais violentas. Comenta também que no Movimento só vê/ouve falar de organizações, debates e colóquios mas há pouca acção.

Justine – quem precisa de dinheiro para pagar as despesas deve falar com (?). O material está disperso entre a RDA, casa da Justine, e outros sítios que não sabemos; devíamos juntá-lo.

Sara – pede o e-mail da Madalena (uma das pessoas agredidas)

Pedro – acha que é necessário fundir e reorganizar os grupos de trabalho. Dá o exemplo do texto do Nuno sobre a manifestação 19J que esteve no blog mas foi retirado pelo grupo de comunicação. Sugere que se podem tirar lemas e gritos para a manifestação 19J a partir do mesmo texto.

Inês – proposta de apoio à manifestação LGBT. Fala da necessidade de material para sábado.

Raquel – é necessário recolher dinheiro, algo que já não se faz desde a acampada, principalmente agora para cobrir as custas do processo judicial contra a polícia. Mostra tristeza pelo facto dos sindicatos amarelos (em Espanha?) terem convocado uma manifestação para dia 20 de Junho (?), o que poderá desmobilizar as pessoas para a 19J; é triste que os sindicatos nos façam concorrência em vez de se juntar a nós. Não assina o manifesto internacional por várias razões.

Luís – Ponto de informação – (Leu o e-mail, sem o manifesto.) Fui eu que trouxe o e-mail, a intenção era apenas dar conhecimento à Assembleia desta proposta de manifesto internacional que partiu da acampada de Santiago de Compostela e foi enviada ao grupo de comunicação e anda a circular pelas organizações das acampadas. Não há nenhuma proposta para aprovar este manifesto como nosso. Era apenas informação.

Leonor – pergunta se é em Assembleia que se vão discutir os pontos mínimos, e quando.

Rafa – queria que se definissem 4-5 pontos mínimos para nos apresentarmos às pessoas. Não perceberia por exemplo porque é que as Revoluções Árabes estariam como pontos mínimos, mesmo sendo um tema importante.

(Alguém, não apontei o nome) – diz que isto assim não é uma Assembleia, que uma Assembleia deveria permitir melhor a apresentação e discussão das propostas.

Inês (Ruiva) – fala da importância da nacionalização do movimento.

Renato – conta que um estudo do ISCTE revelou que 40% dos portugueses (?) vive abaixo do limiar da pobreza. O que nos unifica? (…)

Francisco – diz que vivemos um periodo catastrófico, estamos a um passo da escravatura legal com a intervenção do FMI. Não há Democracia em Portugal, tal como na Síria e outros países árabes.

Renato (revoluções árabes) – comenta que há demasiada discussão sobre documentos e eixos comuns que já foram mais do que discutidos. Era mais importante discutir a divulgação. Diz ainda que é contra a vinculação do programa eleitoral como um contrato de governo que poderia ser contestado em caso de incumprimento porque a última coisa que quer é que o actual programa de governo seja cumprido.

Pedro – explica o que é para ele a Democracia verdadeira. Em resposta ao Renato, diz que a vinculação do programa eleitoral evita que os partidos prometam uma coisa e façam outra.

Filipa – acha que devemos trabalhar por etapas. Diz que há fome em Portugal e isso se vê nas crianças que vão para a escola sem terem tomado pequeno almoço. O facto de estarmos contra o FMI é algo abrangente e inclui a perda de direitos e valores como a Saúde pública.

Andreia – Ponto de informação das reuniões e acções – Amanhã, 18h, “Deita-te no Rossio”. GT Cultura (e outros nomes) 5ªfeira às 19h30 na RDA reunião sobre “Cidades criativas”. GT Permacultura sábado às 13h reunião na horta da Mouraria. 3ª às 20h na Casa do Alentejo, reunião sobre “Novas formas de manifestação (para 19J)”.

Fase de propostas

  1. Processar a polícia pela sua actuação no Rossio dia 4 de Junho.
    • 1ª votação – Aprovado (0 votos contra)
  2. Documento com pontos mínimos de comuns entre todos – retirada. Reunião amanhã às 17h para discutir e melhorar esta proposta.
  3. Apoio à 12ª Marcha do Orgulho LGBT – Lisboa, dia 18 de Junho  (à semelhança do apoio à greve dos ferroviários).
    • 1ª votação – 1 voto contra
    • Discussão:
      • Contra – Francisco – não devemos misturar a luta contra o FMI com outras lutas
      • Favor – (?) – os LGBT também têm direitos
    • 2ª votação – Aprovado (1 voto contra)
  4. Existir 1 hora temática em cada Assembleia Popular do Rossio. O tema é decidido na Assembleia anterior.
    • 1ª votação – 2 voto contra
    • Discussão:
      • Contra – (?) – o tema devia ser decidido na própria Assembleia
      • Favor – (?) – os LGBT também têm direitos
      • Abstenção – (?) – o que devia existir é uma ordem de trabalhos resultante de uma prévia reunião intergrupos
    • 2ª votação – Aprovado (0 votos contra)
  5. Existir um resumo de 10 minutos no início de cada Assembleia Popular do Rossio sobre os acontecimentos dessa semana, realizado por uma pessoa, definida na Assembleia anterior.
    • 1ª votação – 1 voto contra
    • Discussão:
      • Contra – não deve haver um porta-vozes para fazer estes resumos
    • 2ª votação – Aprovado (1 voto contra)

Última intervenção – Raquel – Divulgação (?).

Isabel – encerra a Assembleia.

Anúncios